HOMILIA DA DEDICAÇÃO DA IGREJA DA ABADIA DE STANBROOK WASS

CARDEAL VINCENT                         EM SEIS DE SETEMBRO DE 2015

De vez em quando, aos olhos da minha mente ou na televisão ,aparece a imagem da Abadia de Stanbrook ,em Worcestershire, claro. O caminho suave e admirável, a capela majestosa, os frios parlatórios; os jardins beijados de sol e os tubos do aquecimento central, aparentemente sem fim, e   que não pareciam levar muito calor.

Mas, agora , há uma nova Stanbrook. Ela vem surgindo lentamente, passo a passo, apesar de tantas dificuldades, neste local excepcional.

Esta é uma jornada especial e eu estou contente de seguir em suas pegadas , mesmo que seja só por um dia.

Há uma outra jornada especial que nós comentamos hoje; a jornada de Jacó ; da qual faz parte nossa   primeira leitura.Jacó tinha deixado sua casa.Ele não estava apenas em dificuldades -- por causa de seu irmão Esaú -- mas também em uma busca, uma busca por uma esposa , uma terra, uma herança.Ele estava procurando o   seu futuro. Como a de   vocês ,esta foi uma busca   crucial, e suas implicações ficaram por muitas gerações.

Em seu sonho, Jacó sentiu que a realização de todas as suas esperanças virão como um presente – dom de Deus. Ele é completamente tomado por essa intuição; declarando: “ Verdadeiramente o Senhor está neste lugar ....Isto é nada menos do que a casa de Deus,este é o portão do céu.”

Nossa leitura cristã deste   texto precisa ser exata.Nós não lemos isto como , tornando-nos possuidores de uma terra ou um lugar. Nós não colocamos nossa esperança em nenhuma propriedade, maravilhosa como   este lugar   é ! Mais, nós lemos esse texto, hoje especialmente, nos direcionando para além de todo lugar particular, direcionando justamente para o topo da escada, “alcançando o céu “.É   deste lugar que cantamos “ Como   é bom , Senhor   morar em vossa casa, Senhor , Nosso Deus “.                                                                                                                           Hoje   nós dedicamos esta belíssima igreja da Abadia.É para estar a serviço, como os menores degraus da escada de Jacó, direcionando-nos sempre além dela, mesmo as palavras ,símbolos, e ações desta cerimônia   tem nos instruído.Hoje estamos em amoroso contraste àquele dia em março de 1999,quando nós celebramos a última missa na antiga igreja.Aquela igreja esteve a serviço , como ponto de atenção da vida da comunidade   desde a sua consagração, pelo bispo Ullathome   neste dia, seis de setembro , em 1871.Na longa jornada pela escada de Jacó,este é ,de fato,um passo significante.

A regra de São Bento fala da liturgia como “ Opus Dei “ e, eu compreendo, usa esse termo sómente em consideração á liturgia. Liturgia é   o   trabalho de Deus, de duas maneiras: O que nós fazemos por Deus e, mais importante ,o que Deus faz por nós. Na liturgia, nós proclamamos o Nome do Senhor, até que Ele volte de novo.Nós ficamos em pé, rezando, dando voz a toda a criação, como ela reconhece seu criador e sua esperança.Na liturgia nós viemos a ser recriados, preenchidos, de novo e de novo, com o Espírito Santo, através da morte e ressurreição do Senhor,feito presente neste altar.

Nas palavras de Jesus para a mulher samaritana, dadas a nós por São João, nós somos instruídos sobre a verdadeira adoração. Este de fato,   é o clímax de sua conversa com a mulher.Eles haviam falado de sua necessidade corporal de água, uma conversa que se   abriu a

uma visão da Água   Viva. Eles haviam falado sobre os assuntos do coração,o que levou a um duro enfrentamento da verdade. Agora eles chegam ao momento crucial , aquele momento da verdadeira evangelização, quando a mulher é colocada face a face com Cristo, o único que nos traz a verdadeira adoração ao Pai. No final destas palavras de Jesus ás quais nós acabamos de ouvir, esta mulher pergunta a ele sobre o Cristo que está para vir.Com palavras as quais, nós não ouvimos apenas hoje, Jesus responde: “ Eu, quem está falando com você agora, eu sou ele.” Este é o ponto de toda a conversa, o modelo de todo esforço de evangelização: o encontro verdadeiro com Cristo. Cristo é a verdade em quem nós devemos adorar-servir. Ele é o doador do Espírito, quem sozinho ergue nosso frágil corpo. Ele é aquele a quem nós viemos para encontrar , dia após dia, aqui nesta casa de oração.      

Alguns de vocês, tenho certeza, vão lembrar de Brian Keenan, um autor irlandês, que ficou por quatro anos e meio, prisioneiro em Beirute, de 1986 até 1990. Ele escreveu sobre sua experiência em um livro chamado “ Moldura do mal “. Uma passagem permaneceu sempre no meu pensamento.Ele descreve como ele contempla seu caminho para fora do seu buraco do inferno, como uma   escada, feita de todos os atos de delicadeza e amor que ele havia conhecido . Sua escada de Jacó sustentou seu espírito   e fortaleceu – o em sua batalha diária.

São Paulo, em nossa segunda leitura, leva – nos através de um modo de pensar similar.Ele ajuda-nos a ver que este lugar é verdadeiramente o Trabalho de Deus. E é um trabalho de amor. A força-firmeza, propósito, bondade, delicadeza, compaixão e misericórdia encontrada dentro desta   e em toda comunidade da Igreja, vem somente pela graça de Deus. Nós podemos , de fato, ser instrumentos: arquitetos, construtores, jardineiros, autores, cantores, todos contribuindo para um templo vivo. Mas tudo, por fim, vem do Senhor, e sem esse presente-

dom   de amor, é somente um gongo vazio ou um címbalo que bate.            

E São Paulo, continua a advertir- nos que, destruir esse trabalho, esse templo, é arriscar – se á ira de Deus. O contexto desta leitura, torna   claro que tal destruição acontece pela divisão dentro da comunidade. Qualquer inicio de divisão, ele diz, acontece porque alguém pensa que eles conhecem melhor, que eles são sábios,e que a vida da comunidade não o é . Divisão   corróe o amor, apodrecendo os degraus da escada. Divisão   quebra a própria estrutura, enfraquece o próprio tecido do templo. Divisão é um requisito do mundo e sua consequências marcam todas as gerações, verdade seja dita, cada um de nós.

Então, aqui está o nosso desafio; estabelecido nas palavras da Igreja. Falando para este ano da Vida Consagrada, Papa Francisco tem chamado todas as comunidades religiosas, nestas palavras : “ O   sinal que distingue a vida consagrada é a profecia ....É esta profecia que é necessária agora, ser profetas que testemunham como Jesus viveu nesta terra...um religioso não pode nunca abandonar a profecia “. ( Ano da Vida Consagrada II. 2 ).   Papa São João Paulo II   foi mais explícito: “ O mosteiro é o lugar profético onde a criação se torna louvor a Deus, e o preceito, concretamente vivido da caridade torna – se o ideal da coexistência humana; é onde o ser humano busca a Deus sem limitação ou impedimento, tornando – se um ponto de referencia para todas   as pessoas, guardando- as no coração e ajudando - as na busca de Deus . (Orientate Lumen 9).

“ O   preceito da caridade concretamente vivida.”   Que desafio !   Somente aqui, neste lugar de oração, você encontrará a força para alcançar esse desafio, e oferecer este caminho para todos que vem; para todos que entram aqui e todos os que nos buscam, por conforto   e encorajamento . Somente na caridade vivida concretamente, será nossa aparentemente infinita capacidade para divisão, ser superada e a paz pela   qual todos desejamos, será encontrada. A isto vocês serão testemunhas, profetas no nosso   mundo cheio de dificuldades .

Possam as pedras que nós ungimos hoje , ser a sua força. Possa a água que nós abençoamos, ser a sua renovação. Possam as velas que nós acendemos, ser a sua luz. Possam   os santos cujas relíquias nós temos honrado , ser seus constantes companheiros. Possam o linho branco e as belas flores com as quais este altar, o sinal do próprio corpo de Cristo,foram adornados, serem sua inspiração, que vocês possam servi-lo sempre com alegria   e, no bom tempo de Deus, alcançar o degrau final da escada, e o lar celeste que nos aguarda, a nós todos.

Amém.

DEDICAÇÃO     DA   IGREJA DA   ABA DIA DE STANBROOK , WASS.     06/09/2015

 

 

Madre     Andrea     Savage

 

Durante a semana nós estivemos   lendo a crônica do mosteiro, de seis de setembro de 1871, quando nós dedicamos nossa antiga igreja em   Callow End .

Eu quero apenas   dizer que vocês tem sido ,ligeiramente poupados,pois a cerimônia naquele dia durou cinco horas, porem nós não terminamos ainda,eu peço um pouco mais de paciência.

Eu penso que falo por     toda     comunidade, para dizer que nossos corações estão repletos.Esta nova igreja   tem nos dado imensa alegria..A comunidade tem

estado numa jornada dentro de outra jornada, nos últimos desessete anos. Eu ainda   não   posso       dizer que nos tenhamos chegado,mas,deixe nos   dizer que há luz no final do túnel.Estamos muito conscias da     ajuda e encorajamento que nós temos recebido.

Primeiramente,   Bispo Terry, muito obrigada ao Sr. E a diocese por acolher este   grupo de monjas nômades,dentro de   sua diocese, e por todo o apoio que nos tem dado,antes mesmo de nossa chegada   em Wass .Sua eminência, nós ambos, deixamos a   Arquidiocese de Birmingham exatamente no mesmo dia em maio de 2009. Nós subimos no ônibus,em direção norte, para Norte Yorkshire enquanto o Sr. foi para o Sul, para assumir   seu novo   compromisso em   Westminster.Mais uma vez ,o seu apoio a nós,como comunidade,para mim e a   minha antecessora,Madre Joanna,foi profundamente apreciado; principalmente nos anos que muitas decisões difíceis tiveram que ser feitas,   muito obrigada.

No   sábado, depois de nossa chegada, Arcebispo Arthur veio e se apresentou a nós.Ele tinha trabalhado próximo com nossa Ir. Maria,na nova tradução do missal e sempre tinha demonstrado um grande interesse no nosso projeto.Mesmo depois que Ir. Maria faleceu,ele continuou a nos encorajar. Ele,junto com o Bispo Terry e a atriz   Patrícia Routledge concordaram em ser benfeitores de nossos esforços para angariar fundos para   a ala leste.Patricia não pode estar conosco hoje,eu sei que ela irá querer conhecer em detalhes tudo   sobre os eventos de hoje.

A Família Beneditina tambem tem sido uma rocha onde apoiar – nos,o que nós   frequentemente   temos feito.Abade Primaz,Abade Notker, a quem nossa Madre Joanna conheceu como Arquiabade de St. Ottilian .Nós estávamos ,ambos,ajudando

dois   jovens mosteiros em Tororo,Uganda.Então, ele,gentilmente nos deu um capelão por dois anos, o então Padre Jeremias Schroeder , agora Abade Presidente da Congregação de St. Ottilian..Como Abade Primaz,ele junto com o Cardeal   Vincent, ajudaram- nos através dos difíceis anos de tomada de decisão.

No recente Capítulo   Geral da Congregação   Beneditina Inglesa,uma palavra   era usada regularmente - colaboração - Stanbrook tem experimentado isto de primeira mão,de todos os nossos irmãos, monges e monjas, da EBC ( Congregação Beneditina Inglesa). Abade Richard, nosso Abade Presidente , tem viajado nessa estrada dura conosco e   é   bom que ele possa agora, ver os frutos desses   últimos   anos .Para baixo,bem ao sul, na Abadia Buckfast ,Abade David e sua comunidade tem sido   por anos agora,uma fonte,   tornando   possível o impossível. Com a permissão deles ,   e   a   dele, seu diretor financeiro, Jonathan   Deacon, tornou –se nosso conselheiro financeiro.Ele tem ficado,muito quieto, na retaguarda, porém sem ele, nada disto teria sido possível.Ele tem sido uma luz e um guia para a comunidade   por, provavelmente, vinte anos no mínimo. A comunidade   também,através do padre Sebastian , quem, eu sei , amaria estar aqui,porém a fragilidade não o permitiu,Padre Richard Rotter, Pe. James e o Prior Francis, quem   -- Como estou contente --   está aqui hoje, todos tem nos apoiado, guiado, encorajado. Buckfast   também nos apresentou   a John Cunningham ,que foi o nosso representante neste projeto, cuja sabedoria e conhecimento jurídico manteve tudo caminhando.

Outros mosteiros   da EBC   tem nos assistido em muitas maneiras práticas e com seu apoio espiritual. Neste ponto gostaria de me dirigir a nossa família beneditina   mais extensa .Nossos mosteiros –filhas de Jamberoo, na Austrália e Santa Maria no Brasil.Estão ambas   unidas em oração conosco hoje. Madre Abadessa Martha Lúcia de nosso mosteiro - neta     Nossa Senhora da Paz,em Itapecerica,no Brasil, está   aqui .Ela tem sido intermediária junto ao oblato delas, o artista Claudio Pastro, que desenhou o Altar, o Ambo ,e a Pia de   Água Santa.    

  

Vindo   para perto de casa e para Norte Yorkshire, nossos irmãos em Ampleforth, Abade Cuthbert e seu predecessor,   Abade Timothy, junto com a comunidade de Ampleforth,tem feito a palavra colaboração, bem real para nós.Nós devemos a eles um profundo débito de gratidão,   em muitos níveis e desejávamos ter aqui hoje toda a comunidade, porém o espaço não o permitiu. Nós ficamos tão contentes por partilhar com eles a   1ª missa, em abril, na nova igreja da Abadia.Festa feliz, também hoje,é o aniversário da Dedicação da Igreja deles.

Quando a comunidade anunciou que nós estávamos mudando de Worcester, nós começamos a procurar arquitetos que refletissem nossos valores, e a importância de uma construção sustentável.Em 2003, nós designamos   Feilden Clegg e Bradley ,de Bath,cuja experiência neste tipo de construção   que nós queríamos ,foi um bom presságio para o futuro e eu acho que eles atenderam a tudo o que nós queríamos   nesta igreja.Peter Clegg   supervisionou todo o projeto   desde o início.Ele,junto com Gil Smith,   Louise   Wray projetaram todo o mosteiro.Gil e Louise   cuidaram da primeira fase do trabalho de construção,enquanto a segunda fase foi completada por Peter , Tara Breen e Louise nos estágios iniciais.No projeto litúrgico da igreja fomos   assistidos por Dom Daniel McCarthy, da Abadia de St. Benedict, em Atchison, Kansas e pelo Padre James Leachman da Abadia Ealing.

Em 2011, nós designamos Richard Cavadino como nosso gerente de Projeto.Ele tem guiado todo o projeto com sábios conselhos,muito humor e uma paciência infinita.No final de 2013,nós designamos QSP Construções   e   no todo, tem sido um relacionamento muito feliz entre nós,Andrew Walker e sua equipe. Eles agiram de modo a acomodar esse   cliente pouco comum,   com um   estranho horário. A comunidade temia fortemente a ideia de viver num local de construção por 15 meses; e isto foi muito facilitado por nosso administrador Richard Oldfield   e   todos os operários com menção especial aos nossos apóstolos, Pedro e Paulo. Richard   Oldfield e Richard Cavadino formaram, eu acho,   um bom time.Nestes dezoito meses tem havido uma profusão de Richards   em nossa vida !

A comunidade tem também , um profundo débito de gratidão para com a comunidade local.Para com o Parque Nacional de Moors   Norte Yorkshire ,por ouvir - nos e receber -nos dentro do Parque Nacional .Para o povoado e as pessoas   de Wass, que tem demonstrado uma grande paciência conosco, desde a nossa chegada às suas portas. Nós esperamos recebe –los aqui   em outubro.Também a comunidade católica local, que recebeu -nos em seus corações,   muito   obrigada.

Finalmente, uma palavra de agradecimento a minha antecessora, Madre   Joanna Jamieson, que teve a visão para levar a frente todo esse processo, e, especialmente à minha comunidade. Tem sido uma longa e dura estrada, na qual temos tido   muitas provações e tribulações, vocês tem sido uma inspiração para mim como sua Abadessa. Voces tem me mostrado o que significa ser uma comunidade de fé .

Muito Obrigada .

Andrea Savage O.S.B.

6 de setembro de 2015.